HISTÓRICO

2009

6 de Janeiro
- terça-feira “Homenagem a Luiz Pacheco” - Exposição Documental | 17h | até 1 de Fevereiro.
Composta pela apresentação de documentos inéditos e pela estreia de filme-documental sobre o autor.
ISPA | Espaço do Urso e dos Anjos

Mais informações aqui ou aqui. Carregai no link Fotos para ver as Fotografias que o Rui Viegas em boa-hora partilhou.

2008

Novembro

Adaptação teatral de "A velha casa", de Luiz Pacheco, de 14 de Novembro a 20 de Dezembro. Encenação João Garcia Miguel, num edifício da Junta de Freguesia de Sto Estevão, Lisboa. Em princípio poderá haver mais uma representação nas Caldas da Rainha.

6 e 7 Agosto
Projecto Pacheco
: No CCC das Caldas da Rainha, alunos da ESAD homenagearam Luiz Pacheco através de uma peça de teatro (através dos textos 'Os namorados' e 'Exercícios de conversação'), encenado por Thais Guimarães, uma exposição e um documentário 'O libertino passeia pelas Caldas'.

9 Maio
De 7 a 9 de Maio fez-se em Beja um ciclo Luiz Pacheco.
Segundo o Diário Digital "O Ciclo Luiz Pacheco, promovido pela Companhia de Teatro Lendias d´Encantar, de Beja, em colaboração com o município, vai decorrer, até sexta-feira, no Teatro Municipal Pax Julia para homenagear e dignificar o legado do escritor.
A representação da peça Comunidade, pela Companhia de Teatro Lendias d´Encantar, quarta-feira, às 22:00, na sala estúdio do Pax Julia, marca o pontapé de saída do ciclo. Na quinta-feira, às 21:30, na cafetaria do Pax Julia, vão ser exibidos dois documentários produzidos pela RTP sobre a vida e obra de Luiz Pacheco. A Companhia de Teatro Lendias d´Encantar volta a subir ao palco da sala estúdio do Pax Julia para apresentar Coiote às 21:30 de sexta-feira, o último dia do ciclo, que termina com uma conferência sobre Luiz Pacheco. Além do filho do escritor, Paulo Pacheco, a conferência, a partir das 22:30, na cafetaria do Pax Julia, vai contar com a presença de António Revez e Carlos Curto, respectivamente o actor que mais peças representou e o encenador que mais peças dirigiu em Portugal com textos de Luiz Pacheco."

18 Março
Em Coimbra, na Biblioteca da Universidade, dia 4 de Abril, um colóquio informal sobre LP, com presença do filho Paulo. Também estreia na mesma Biblioteca uma retrospectiva da obra do autor com manuscritos, livrinhos, cartinhas e outros substantivos diminutivos.

25 Janeiro
3 boas novas sobre a obra de Luiz Pacheco:

1) Na Biblioteca Nacional em Lisboa, Mostra evocativa sobre Luiz Pacheco (os livros, 2-3 postais, 2-3 manuscritos):
14 de Janeiro de 2008 a 2 de Fevereiro de 2008 | Sala de Referência | entrada livre

2) "Contraponto (espectáculo em concepção pelo Teatro da Rainha, que estabelece uma viagem por dentro da obra de Luiz Pacheco)" (in Diário das Caldas - Suplemento 11 Janeiro 2008)

20 Janeiro
Hoje, Domingo pelas 22:40, no Câmara Clara da 2:, vai-se falar sobre Luiz Pacheco.
Quem não vir, pode sempre ir ao site da RTP e procurar pela emissão completa.

E fiquem atentos ao site. Dentro em breve vou colocar mais entrevistas e as palmadinhas nas costas para o coitadinho do morto. Algumas pancadinhas são dadas com mais força: O Pacheco haveria de gostar.

6 de Janeiro de 2008 +

A morte encontrou-me quieto e calado, sem reacção.
Como quem choca um dia com uma ex-namorada de há 10 anos, já casada e com 2 filhos nos braços, o marido atrás agarrado cabisbaixo ao telemóvel. E eu que tinha imaginado num espelho mental que, se a revisse, lhe teria tanto para dizer, jorraria ditos espirituosos como os galãs nos filmes e depois piscaria o olho à Bogart e viraria costas de sorriso malandro.
Mas tal como esta morte, esse encontro só teria de mim um espanto e um baixar de olhos de coração perturbado.
Sou admirador da liberdade de se ser Luiz Pacheco como só ele soube ser, admirador da sua escrita, que fugia do coração para as tripas e do cérebro para as vísceras, uma escrita que corria nas pistas das artérias e fugia pelas veias irrigando o corpo. E agora, não me apetece escrever mais.
Aí vai o óbito:

No dia 5 de Janeiro, com 82 anos de idade, faleceu no Montijo o Luiz Pacheco.

Segundo o Público online: "O corpo do escritor e crítico literário Luiz Pacheco, que morreu na noite passada, aos 82 anos, vai ser cremado terça-feira, pelas 19h00, no cemitério do Alto de São João, em Lisboa, disse hoje à Lusa fonte próxima da família. Segundo a mesma fonte, o corpo do escritor só deverá ser entregue à família na amanhã à tarde. O funeral terá lugar na próxima terça-feira pelas 17h45 da Basílica da Estrela, para o cemitério do Alto de São João"

Ainda segundo o Público " O crocodilo que voa é o título do livro de João Pedro George, que sairá ainda este mês pela Tinta da China e que reúne as últimas entrevistas dadas por Luiz Pacheco." (talvez 11 de Fevereiro...)

Para mais informações consultem o Público online ou o site da RTP. Na secção de vídeos da RTP (acho que) podem encontrar a entrevista a Vitor Silva Tavares na RTPN das 16 ou 17 horas (informação por confirmar), ao Francisco José Viegas (RTPN das 18 horas) e no Jornal 2, entrevista a Vitor Silva Tavares. Nos vários noticiários da RTP do dia 6 de Janeiro, estão disponíveis peças jornalísticas sobre a vida e morte de Luiz Pacheco e muitos destes
vídeos encontram-se online.

2007

Dezembro
Uma versão litográfica de "Comunidade" foi lançada no passado dia 26 de Novembro com 18 pinturas de Cruzeiro Seixas, dedicada pelos autores à memória de Mário Cesariny, no dia em que se assinalou a passagem de um ano sobre a sua morte.
Para ler:
Entrevista à Revista K aqui ou aqui dentro

E mandem fotos, mandem textos, mandem críticas, mandem capas de livros, mandem os livros agarrados também.
Não se acanhem e mandem vir.

Maio
>Fez-se actualização de Textos e de Bibliografia neste vosso site. Mais de 15 novos textos e entrevistas.
Neste momento estou a organizar e a listar cronologicamente todos os artigos do Luiz Pacheco para a imprensa escrita. É um trabalho estúpido, mas alguém tem que o fazer.


Abril
>O LP saiu do lar no Príncipe Real em Lisboa e encontra-se a viver com um dos filhos (não sei se com o Paulo).
Informações mais recentes actualizadas na sua última entrevista para o Correio da Manhã (8-4-07) ou aqui.

Durante 2006
>(Acho que foi) numa edição do Notícias de Sábado (29-4-06), que perguntaram ao LP o que faria se fosse deputado (devido a esta barraca das faltas dos de-puta-dos). Responde que, se fosse deputado, nem sequer poria lá os pés. Bom, afinal não parece haver muitas diferenças.

>Ia acontecer mas não aconteceu, nem sei se vai acontecer. O lançamento do último livro do LP "O crocodilo que voa - Entrevistas", com organização e prefácio de João Pedro George, uma colectânea das maiores e mais importantes entrevistas de LP concedidas nos últimos 12 anos. Mais informação no blog da editora Objecto Cardíaco.

>Para quem não sabe, o Luiz Pacheco mora num lar no Príncipe Real e sim, ainda está vivo. Fui há pouco tempo visitá-lo e apresentar-lhe o site. Esteve-se bem a borrifar e fez-mo notar de uma forma bem apachecada.
Pois ainda bem, só me faltava ter o Pacheco a falar bem do ciberespaço e que ainda bem que eu existo para lhe dar visibilidade e que fui a melhor coisa que lhe apareceu à frente. Só me faltava...um Pacheco lamechas.

>Pela parte que me toca, ando a recolher (leia-se digitalizar) a bibliografia jornalística do LP. Graças aos alfarrabistas Luís Gomes (Artes e Letras) e ao Nuno Franco (Alexandria) já tenho uma boa base de dados. Quem tiver artigos de/sobre Luiz Pacheco que me envie, que a gerência agradece e retribui.

>Neste momento João Pedro George está a escrever e preparar uma biografia do Pacheco.
No site Esplanar, uma entrevista com LP. Fotos incluídas e boas.


Finados de 2005
Novo livro:"Cartas ao léu: 24 cartas a João Carlos Raposo Nunes", pela Quasi.
Críticas aqui e aqui.

.>Na Visão da primeira semana de Setembro, entrevista com o LP. O Jornal de artes e letras, também.

>Apelo à nação: ando à procura dos livros do Luiz Pacheco. Se tiverem para venda, apitem.


15 Setembro 2005
Lançamento oficial do livro "Diário remendado 1971-1975", pela D. Quixote. A revista "Os meus livros" de Agosto inclui fotos e extractos do livro. Já li o posfácio e gostei do que li. Críticas aqui.


Julho, 2005 (à noitinha)
A RTP (quem mais?), emitiu no canal 2 (ou a 2: ou o 2 ou dois) um documentário sobre a vida e obra de LP. "Luiz Pacheco - Mais um dia de noite". Repetiu em Agosto nas Curtas.


24 de Julho 2005
O moribundo jornal "A Capital" entrevista-O, por interposto de Pedro Castro. Fotos de José B. Caria.


Algures na década de 00
O eterno execrável VASCO GRAÇA MOURA, tradutor de dante, inclui a "Comunidade" em "Os melhores contos e novelas portuguesas".

Algures na década de 00
O organizador António Mega Ferreria inclui um conto (A comunidade?) em "O erotismo na ficção portuguesa do século XX". Por esta passas, António...


7 de Janeiro de 2004
Entrevistado por Elisabete França no Diário de Notícias.

Antes de...Dezembro, 2003
Algures, entrevista com a Anabela Mota Ribeiro no DNA, publicada em livro em Dezembro de 2003.
Nota: a ver se compro o livro com a entrevista.

26 Abril 2002
22h00 Lançamento do livro «Mano Forte» de Luís Pacheco, da Editora Alexandria, na Ler Devagar em Lisboa.
Estive lá para ver o Luiz Pacheco. Para além do autor não ter comparecido (há uns anos que não sai do do (puta da dislexia) lar), nenhum dos elementos da mesa falou sobre a ausência ou fez os agradecimentos da praxe ao autor: Cecília Netto, realizadora da RTP; Bernardo, autor da compilação dos textos; e o Nuno Franco da Alexandria, com um ar enrascado, mas que fez um trabalho do caraças com o livro do Pacheco.
Após a sessão de masturbação mental, foi projectado um documentário sobre o Luiz Pacheco, com realização de Cecília Netto em 1991 e produzido pela RTP (quem mais?! xiça, qualquer dia ainda pensam que trabalho para esses gajos!): "Luiz Pacheco - A vida e o texto".